Exposição de fotografia leve-leve, de Luís Godinho

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +
Integrado no Isto é Arte será inaugurada no próximo dia 18 de janeiro, pelas 18h00, na galeria do IAC a exposição de fotografia Leve-Leve, de Luís Godinho.

Leve-leve é um termo utilizado em São Tomé e Príncipe que traduz a filosofia de vida dos seus habitantes. É uma forma de olhar a vida, de a viver a um ritmo próprio, na sua plenitude e sem pressa.

Com este ensaio fotográfico, Luís Godinho faz um retrato contemporâneo de São Tomé e Príncipe, registando o quotidiano das suas gentes e o espírito descontraído com que os santomenses vão levando a vida, numa cadência relaxada, com espaço ao improviso e à casualidade.

Esta viagem imagética revela estórias que habitam os mercados repletos de frutos exóticos como o cacau, a fruta-pão e as bananas, atravessam as casas de madeira com portas e janelas cobertas a panos coloridos e contemplam as suas vidas de sustento artesanal, como os barcos de pesca feitos de troncos escavados, fornos de produção de carvão improvisados na mata, a extração da palmeira dendém que sorve diretamente o vinho de palma, néctar do leve-leve. Sorrisos de gente feliz, com pouco.

O património arquitetónico é um reflexo da persistente memória de outros tempos, um imponente e antigo hospital abandonado cujas enfermarias se tornaram campos de futebol improvisados ou lugar de brincadeira, roças desativadas em ruínas e suas casas principais perdidas entre a erva alta e a terra baldia, vestígios históricos do outrora império colonial português.

Leve-leve é tudo isso.

E Luís Godinho consegue transportar-nos para esses lugares, tornando-nos observadores de uma realidade retratada tão genuinamente que quase conseguimos sentir a humidade na pele e os cheiros que impregnam os espaços.

Luís Godinho natural de Angra do Heroísmo, é formado em Engenharia e Gestão do Ambiente pela Universidade dos Açores e, aos 34 anos, tem já um vasto curriculum como fotógrafo, com especial enfoque em fotografia de natureza, de paisagem e de rua.
O seu trabalho é internacionalmente reconhecido pelos editores dos principais sites e revistas de fotografia, dos quais se destacam a National Geographic, a Leica Fotografie International, Lens Culture, o 500px e o 1x, tendo ainda fotos publicadas na imprensa nacional e internacional, nomeadamente nas revistas O Mundo da Fotografia, Visão e Vander Love Magazine.
Em 2017 duas das suas fotos foram finalistas e expostas na prestigiada Somerset House em Londres no âmbito do conceituado concurso mundial Sony Photography Awards 2017, sendo também o vencedor do Sony Photography Awards Portugal 2017. Luís Godinho já havia conquistado a 1.ª e 2ª posições no concurso Água no Concelho, promovido pela Câmara Municipal de Angra do Heroísmo. Foi o vencedor do concurso nacional Paisagens de Portugal, da revista O Mundo da Fotografia, tendo também vencido o concurso I shot it the best photo competition, da Leica, na categoria “gatos”, recebendo ainda 21 marcas de excelência em distintas categorias deste mesmo concurso. Para além disso foi finalista do concurso mundial Portraits 2015, da Lens Culture.
Além de uma das suas fotografias ter sido eleita para o Top Excellence of 2016, da Leica, é também autor da fotografia escolhida para a capa do livro Visions, considerado um dos mais conceituados e bonitos livros de fotografia do mundo, lançado em 2016 pelo 1x. Em 2014 publicou o livro de fotografia intitulado Luís Godinho.

Carlos Bessa
Presidente da Direção do Instituto Açoriano de Cultura

Share.

About Author

Pretendemos ser uma ponte entre os Açores e a diáspora açoriana e divulgar casos de sucesso e positivos, que sejam exemplos de iniciativas que acrescentam algo de inovador.

Comments are closed.