Mudança

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +
Ensinaste-me que somos o que sentimos!
Na minha cabeça tinha uma ideia muito organizada e vincada de quem queria ter ao meu lado. Com que tipo de homem queria passar e partilhar a minha vida.
Sempre o procurei e algumas vezes o encontrei e na verdade nunca funcionou…
Nunca parei muito para pensar no porquê das minhas relações não funcionarem, fui atribuindo as responsabilidades a fictores alheios, onde cabem uma imensidão de motivos e desculpas.
Mas a falha nunca seria dos pretendentes escolhidos. Já na adolescência me sentia atraída por homens intelectuais, sérios, retos, com metas e objetivos muito bem definidos. Todos que fugissem destes critérios não eram sequer dignos da minha atenção.
Acreditava que com alguém assim ao meu lado tinha tudo para ser feliz e conseguir facilmente atingir os meus sonhos e ser uma grande mulher de sucesso! Alguém que fosse respeitado e que fosse visto como um exemplo de mulher de carreira!
Muitas foram as vezes em que os meus amigos se divertiram à custa das minhas relações, chamavam-nos muitas vezes de casal robot, de tão cinzento que éramos.
Agora chegaste tu…e baralhaste e deste a volta a tudo que eu tinha como tão seguro.
Ainda me lembro, da primeira de vez que te vi. Completamente despenteado, de t-shirt e calções e ainda com areia nos pés. E eu ali, com o meu fatinho a tentar dar uma imagem descontraída num almoço de trabalho numa esplanada à beira da praia.
Olhaste para mim e riste-te como se nos conhecemos desde sempre e com isso desconstruíste-me.
Aproveitei para ficar a trabalhar por ali o resto da tarde mas na realidade não conseguia tirar os olhos de cima de ti.
Até que te sentaste e me perguntaste se alguma vez tinha experimentado dar um mergulho de fato.
Nunca mais te larguei e todos os dias ensinas-me que a vida é tão mais do que sonhamos e projetamos.
A nossa existência não se pode resumir a planos feitos em base quadrada e linhas retas e é fantástica se a vivermos a cores!
Aprendi que nem sempre o que achamos ser o melhor para nós é o que nos faz realmente felizes.
Mais: descobri que, apesar de preferir mergulhar com biquíni, à falta de melhor o meu fato cinzento serve perfeitamente.
Share.

About Author

Nascida em Lisboa em 1980. Escritora e blogger especializada em ficção através da redação de pequenos contos e histórias, bem como na área de comunicação interna e redação de artigos para empresas e instituições localizadas na área da Grande Lisboa. Ao longo do seu percurso frequentou várias formações na área da escrita, tanto em Portugal como nos EUA. Participa ativamente em várias iniciativas literárias e colabora com publicações em diversos sites e blogs.

Comments are closed.