Marioneta

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +
Tive de te largar para me resgatar!
Para voltar a saber quem sou e mais importante, quem quero ser!
Nunca te interrogaste aonde íamos nesta relação! Eu sei que não! Desde que não levantasse muitas questões e claro, me mantivesse sempre disponível para as tuas vontades e desejos, iríamos continuar a viver este pseudo-amor. Eu chamar-lhe-ia hábito, acomodação ou como dizia o cantor, “e eu sou melhor que nada”…
Para mim chega! Sabia que no dia que em que nos questionasse, estaria tudo acabado. Assumo que muitas foram as vezes em que fechei os olhos para não ver o que estava ali há minha frente ou na tentativa tola de acreditar que as coisas iriam mudar e que era possível voltar a sentir algo que há muito desaparecera.
Passo os olhos para as nossas fotos e vejo nos como se de estranhos se tratassem. Aonde ficaram aqueles dois?
Habituámo-nos a cruzar no corredor como se fossemos mais um móvel ali especado! Com a garantia de que dali não sai.
Pois fica sabendo que eu saio! Fartei-me de ser uma peça de decoração, ou melhor, um utensílio de cozinha! De ser quem não quero! Mais, de ser quem tu queres!
Acho que já nem tu sabes quem és! Tornaste numa personagem fria e sinistra e quiseste transformar-me na tua marioneta. Digo o que tu desejas ouvir, movimento-me ao teu belo prazer e fico imóvel quando te fartas.
Não me consigo lembrar, por maior esforço que faça, do que me apaixonou em ti e me fez querer passar o resto da vida contigo.
Quando em miúda ouvia os adultos dizerem que se passa uma vida inteira ao lado de uma pessoa e no final nunca a conhecemos, não conseguia entender o que é que isso significava. Como é que se gostava e vivia com alguém e depois não conhecemos? Essa ideia, na minha cabeça de menina sonhadora, era disparatada.
Hoje, cada palavra desta frase ecoa na minha cabeça como se de um sino se tratasse!
Mas também descobri que o tal final é quando quisermos e eu quero hoje!
Já!
Share.

About Author

Nascida em Lisboa em 1980. Escritora e blogger especializada em ficção através da redação de pequenos contos e histórias, bem como na área de comunicação interna e redação de artigos para empresas e instituições localizadas na área da Grande Lisboa. Ao longo do seu percurso frequentou várias formações na área da escrita, tanto em Portugal como nos EUA. Participa ativamente em várias iniciativas literárias e colabora com publicações em diversos sites e blogs.

Comments are closed.