Camarada Presidente

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +
“Camarada Presidente”, filme do zimbabuano Mosco Kamwendo, com produção da portuguesa Marília Angove, é um documentário de 90 minutos que busca retratar a história de Samora Moisés Machel (1933-1986), líder revolucionário que comandou a  Guerra da Independência de Moçambique, tornando-se seu presidente entre 1975 e 1986. O seu mandato acabou tragicamente quando o avião russo que o transportava de volta para Moçambique, no seguimento de uma reunião internacional em Lusaka, caiu na África do Sul. Ainda hoje se especula se a morte do Presidente Machel foi realmente acidental ou provocada por um possível atentado, havendo grandes defensores de ambas as versões.

O documentário, lançado em 2012, visa resgatar Samora Machel da obscuridade histórica e pretende torná-lo tão amplamente conhecido como Kwame Nkrumah, Thomas Sankara e Nelson Mandela, firmando-o no panteão de líderes pan-africanos, ainda que lhe confira um caráter humano, não ocultando algumas das suas imperfeições. Para tanto, lança mão de entrevistas com personalidades que mantiveram com Machel relações políticas e/ou familiares, incluindo dois dos seus seis filhos, a sua viúva, uma ex-namorada, companheiros de guerrilha e também o seu adversário Afonso Dhlakama, então líder da RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana), partido de oposição à FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique), que era o partido liderado por Machel, fundado em 1962 por Eduardo Mondlane com o objetivo de libertar o país do domínio português.

Kamwendo traçou a trajetória de um jovem Machel que já vinha de uma família com história na luta contra o colonialismo, posto que era neto de um dos guerreiros que lutou ao lado de Gungunhana e sonhava em tornar-se médico. Entretanto, aos 18 anos, foi impedido de continuar os estudos, uma vez que a educação dos jovens indígenas estava a cargo da Igreja Católica e os padres só permitiam que ingressasse no curso de Teologia. Mais tarde, trabalhando no Hospital Miguel Bombarda, na atual Maputo, ingressou no curso de enfermagem. Em 1963, abandonou o país, deixando uma namorada que acabara de dar à luz, e dirigiu-se à Tanzania, onde se juntou à FRELIMO e iniciou o treinamento militar. Quando voltou a Moçambique três anos depois, ascendeu rapidamente, assumindo o controlo do partido depois do atentado que provocou a morte de Eduardo Mondlane. A sua subida ao cargo também suscita algumas polêmicas, pois há quem afirme que houve violação dos estatutos e jogatina política.

Embora alegadamente o documentário possua algumas falhas, como o uso de imagens que não correspondem à descrição oferecida e chegando a romantizar os fracassos e maus passos dados pelo seu governo, o seu valor é inegável, pois lança luzes sobre esta importante personalidade da história africana, que lutava ferozmente contra o Apartheid e que nunca aceitou acumular riquezas; foi um pai carinhoso que legou aos seus filhos um grande sentido de humildade, que deixava as comemorações nos palácios para ir celebrar com o povo e morreu enquanto tentava conseguir apoio para tirar Moçambique da situação desesperadora em que se encontrava após um período de seca alarmante e anos de guerra civil que empobreceram sobremaneira um tão surrado país, especialmente considerando que para conseguir tais apoios teve que abdicar de profundas convicções e estabelecer acordos que iam ao encontro dos seus valores políticos Marxistas-Leninistas.

Bianca Mendes

Cine-Clube da Ilha Terceira

Share.

About Author

O Cine-Clube da Ilha Terceira (CCIT) é uma associação de natureza cultural, sem fins lucrativos, fundada em 1977 por um grupo de cidadãos interessados em proporcionar o visionamento de obras cinematográficas na ilha Terceira. Após um período de vários anos marcados por uma pujante atividade, o CCIT conheceu progressivamente uma diminuição da sua dinâmica, o que conduziu ao encerramento das suas atividades. No ano de 2013, em resultado da iniciativa e do empenho de um conjunto de amantes do cinema, o CCIT foi reativado, dando-se início a um novo ciclo da sua existência. É ainda neste contexto de refundação do CCIT que a sua atividade no tempo presente fica marcada.

Comments are closed.